Entrevista concedida ao extinto site "Cambio de Boys"

MERCADO & CARREIRA


 

Qual a sua opinião sobre o mercado atual de acompanhantes masculinos no Brasil?

Vou falar sobre o nicho que conheço que são os acompanhantes de sites. Temos muitas opções, porém pouca qualidade. O cliente que sai com um, sai com outro, compara os serviços e escuto, com muita frequência, os próprios clientes falando mal do atendimento de muitos desses garotos, coisas ruins mesmo, sobre o mau atendimento, falta de ética de alguns dos profissionais, falta de disposição, falta de educação, e principalmente sobre a forma ruim com que o cliente é tratado. Por incrível que pareça, para grande maioria dos clientes não é o tamanho do pau que é mais importante, mas o acordo que foi feito, o quão o acompanhante realmente está se dando naquele encontro. Outros casos falam que o atendimento é muito mecânico. Falam que os garotos falam que vão fazer uma coisa chega na hora não fazem, combinam um valor prévio e pessoalmente cobram outro. Outros garotos  querem cobrar a mais pra beijar, pra fazer isso ou aquilo, Fora a tremenda falta de ética de alguns que não entendem que se o cliente saiu com ele 1 vez e desejar sair novamente, ele vai procurar o garoto novamente, não precisa eles ficarem mandando mensagem ou ligando pedindo dinheiro para pagar o aluguel ou qualquer outra história triste inventada para o cliente se comover. Já escutei outros relatos de clientes que foram extorquidos, Relatos de cliente que se sentiu desrespeitado por ser atendido por um "profissional" fora do seu "estado normal", entre tantas outras coisas... Infelizmente esses "profissionais" traumatizam os clientes, e passam a achar que todos os garotos e garotas são iguais, ficam com medo se arriscar novamente. Isso denigre a imagem dos que trabalham de forma correta, e tudo vira uma incógnita na mente do cliente, cada vez mais o cliente pensa 2 vezes antes de se arriscar com o novo novamente, afinal ninguém quer jogar dinheiro fora, pagar um bom cachê para um cara que atende como se tivesse fazendo um favor pra o cliente. Mas como qualquer atividade, sempre existem as laranjas podres, que não podemos generalizar. Cabe ao cliente sentir melhor o acompanhante que pretende sair antes de cair numa cilada. E cabe ao acompanhante se preocupar com isso, caso contrário a carreira dele vai toda pelo bueiro.​

Como você administra sua carreira?

Ricardo Abbas é minha empresa. Me preocupo como vou trabalhar, higiene pessoal, limpeza do ambiente, o que vou vestir, como vou me apresentar, qual conteúdo vou apresentar para meu publico. Algumas pessoas pensam que tenho muito tempo no ramo devido aos vários ensaios que tenho, quando na verdade a cada 3 meses, no máximo, faço um ensaio novo, acho importante que o cliente saiba como estou atualmente. Muitos garotos fazem um ensaio uma vez por ano, daí entra naquela questão do cliente chega pessoalmente e nem reconhece o profissional de tão diferente que ele está. Me preocupo com a imagem, o que falam sobre a minha empresa, aprendo com meus acertos e erros, trato meus clientes de forma única. Afinal são eles que trazem a receita para minha empresa, são eles me mantém, nunca distratei ninguém, e quando  não concordo com algo ou não dá para fazer um trabalho especifico eu prefiro falar que não posso ou não faço, do que falar que sim e ele sentir-se enganado. E é claro que nem sempre o cliente tem razão, mas o feedback sempre é aceito. O bom tratamento e respeito tem existir de ambos os lados. Então procuro fazer meu trabalho da melhor maneira possível, e quando vejo que o cliente voltou é sinal de que gostou do meu trabalho e fluiu bem.

Costuma viajar para temporadas? Com qual frequência e como planeja suas viagens?

Sim já viajei para algumas capitais, sempre com temporadas curtas, pois tenho minha carteira de clientes fiéis em São Paulo, então não posso deixa-los de lado por muito tempo. Já fiz Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Natal e Fortaleza, pretendo voltar, pois fui muito bem recebido por todas essas pessoas destas capitais, E quero ir em outros lugares que ainda não fui, à trabalho, como Porto Alegre, Balneário, Curitiba e Salvador. 

Quais os requisitos necessários para ser um bom profissional nesse ramo? O que você diria para alguém que está começando?

Sugiro que se conheça primeiro, conheça seus limites e tenha a cabeça no lugar. Se você só está desesperado por dinheiro, mas não gosta de pessoas nem do que irá fazer não entre nessa, você pode se destruir. Se as drogas já são o problema pra você, lide com isso primeiro, porque problemas com drogas são facilmente amplificados nesse ramo. E saiba que apenas 5% das pessoas desse ramo realmente ganham dinheiro, e todo o restante sobrevivem a mais um dia, ou simplesmente se perdem nas drogas e na ilusão das oportunidades infinitas. Se expor e arriscar tanto a sua vida para ter um salário só para sobreviver não vale a pena, é melhor que você trabalhar em qualquer outra coisa, que seja mais seguro. Tenha consciência que, como tudo na vida, existe um inicio, meio e fim...  Seja paciente, respeite os seus clientes, seja vaidoso, cuide do corpo, do rosto, da saúde. Ter discrição e ética é primordial... O bom senso nunca é demais, Ter um pouco de cultura é bom pois nem sempre o cliente só quer companhia para sexo. E não menos importante, goste de sexo. (risos) .

 

Com o boom dos blogs de avaliações e fofocas sobre o mundo de acompanhantes há uma exposição excessiva entre vida pessoal e profissional. Como você lida com isso?

Acho muito natural e inevitável que sendo eu uma figura que me exponho publicamente em sites do ramo de acompanhantes, tenha muitas pessoas que simpatizam por mim e outras tenham antipatia por mim. O que não acho correto é que pensem que internet é terra de ninguém, primeiro porque é afirmar que ninguém se importa com que falam e que ninguém cuida. E o outro é esquecer que todos nós somos responsáveis pelo que publicamos, e mesmo aos anônimos já existe leis e tecnologia que impedem que qualquer um escreva o que quiser e agridam a honra alheia sem ter como provar. Em abril do ano passado, uma boa avaliação sobre o meu atendimento foi publicada no site Cambio de Boys (quem não conhece, era um site que recebia relatos de clientes, onde o cliente relatava a experiência que teve com os profissionais) E uma série de depoimentos e relatos de clientes falando bem sobre meu atendimento também se desencadearam, e isso gerou desconforto para alguns “colegas de trabalho” dos mesmos sites que eu anuncio. Do nada, surgiram comentários de “anônimos” se passando por clientes tentando deturpar minha imagem com meus futuros clientes. Pouco tempo depois descobri que eram 3 concorrentes incomodados com o meu trabalho, inclusive em um deles, até tentou copiar um ensaio idêntico ao meu onde estou vestido de Árabe no cavalo. No inicio desse ano de 2017 o site Cambio de Boys saiu do ar, a justificativa que nos foi dada foi que os próprios acompanhantes denunciaram por "denegrir a imagem deles" pois estavam se sentindo prejudicados, por que faziam um mal trabalho, e quando eram denunciados por mal atendimento nesse site, eles perdiam muitos programas, pois os clientes que liam os relatos negativos deles não iam até eles. O site funcionava como um RECLAME AQUI, lógico que quem não tinha nada a temer por que trabalhava direito, não tinha problema com a divulgação dos depoimentos... Já quem não fazia seu trabalho direito, se sentiu incomodado fez de tudo para o site saísse do ar. Então como toda área comercial e concorrida, temos pessoas com caráter, que são éticos e parceiros, já outros não. O cliente deve ter o discernimento do que é verdade ou não. Avaliar bem aquilo que está claro ou se trata apenas de picuinha nesse mercado concorrido, afinal o que está em jogo é dinheiro, e existem muitas pessoas que não tem escrúpulos algum quando se trata de dinheiro.

As pessoas tem em mente que o acompanhante em geral leva uma vida fácil. Como você interpreta essa afirmação? Quais os lados positivos e negativos de ser acompanhante?

Não é fácil não! Todos os dias preciso estar bem psicologicamente porque lido com pessoas que nunca sei quem são. Às vezes tenho assumir outra identidade porque é o fetiche do cliente, passar por situações chatas como a falta de higiene de alguns, ter muito cuidado da forma com que você vai falar ou fazer a pessoa perceber isto. Lidamos com trotes nas ligações, gente curiosa que não quer nada, garotadas que não tem o que fazer e ficam entrando em contato o dia todo pelo whatsapp pra pedir fotos e videos pelo simples motivo de ter as fotos no seu celular ou se masturbar vendo fotos e videos, sem a menor intenção de te contratar, tem gente que liga de madrugada querendo fazer sexo por telefone, nunca foram fazer o programa com acompanhante, mas acham que ele tem a obrigação de papear com ele, quando sabemos que o profissional só ganha quando o cliente contrata efetivamente o acompanhante, e até você saber quem é um cliente em potencial e quem não é... É complicado! Então tem que ter muita paciência e jogo de cintura. O profissional precisa estar sempre na região que atende, pois nunca sabemos quando o telefone vai tocar. Não tem muita vida social, pois os horários de picos de procura é a noite durante a semana, aos finais de semanas e feriados. E um outro ponto negativo é que ainda existe o preconceito muito grande porque as pessoas entendem a prostituição é só sexo por dinheiro, e foi assim que fomos ensinados desde criança, mas quantos de nós conhecemos pessoas, ou já nos prostituímos por uma promoção no trabalho, um status social, um bem material, um cargo na empresa. Quantas mulheres nós conhecemos que ficam com seus maridos, e muitas vezes vivem anos infelizes por conforto, por uma mesada, por luxo, uma carência afetiva, entre outras coisas. Porém nos olhos da sociedade isso não é prostituição porque fomos ensinados a prostituição é só fazer sexo por dinheiro. Essa é uma prostituição bem vista, e nem é considerada prostituição, mas eu, jamais conseguiria dormir e acordar com uma pessoa que não gosto, viver anos ao lado de uma pessoa que não amo, só por dinheiro ou conforto. Eu vendo horas do meu dia, assim como qualquer funcionário vende 8, 10, 12 horas do seu dia, por um salario, mas as outras horas esse funcionário tem a vida dele, e faz o que ele quer..Eu vendo algumas horas do meu dia mas meu caráter e minhas vontades não estão a venda. E os pontos positivos é claro que tem a parte financeira que foi o motivo pelo qual eu entrei, e acredito que todos os outros garotos também, mas além do dinheiro e das coisas que eu posso fazer hoje me acrescentou muito no lado humano. Aprendi a fazer uma pessoa se sentir bem só por fazer ela se sentir especial, desejada. E muitos casos, apenas ouvida.

 

CLIENTES

Qual a proposta mais absurda feita por um cliente?

Acho no sexo, não há nada que me soe absurdo desde que seja acordado e bom pra ambos os lados. Mas recordo de uma ligação que um cliente queria me torturar, alugar um quarto de motel onde ele levaria todos os adereços de dominação e queria que eu fosse seu “escravo”, termo muito usado para o Sadomasoquismo, onde ele usaria chicote, cadeira especifica, algemas, etc. Ele me amarraria e queria que eu deixasse ele fazer o que ele quisesse. Claro que não aceitei, pois aquilo que foge do meu controle, não curto, até brinquei e falei que eu poderia ser o “mestre” dele. Mas ele não aceitou, óbvio! Pimenta no... (risos)

Qual o programa mais difícil que você fez? Aquele em que o cliente se tornou inconveniente?

Difícil mencionar um, porque alguns são difíceis em alguns pontos só, e outros, a pessoa é difícil de lidar. Eu sempre trabalhei com público, então tenho uma vasta experiência e paciência pra lidar com situações adversas. Posso garantir que nunca fui estúpido com ninguém. Educação e respeito, como qualquer relação seja profissional ou pessoal ela deve sempre existir. Mas tenho dificuldade de lidar com pessoas que pensam que porque estão pagando pelo atendimento podem menosprezar, distratar ou achar que somos maquinas. Teve um cliente, por exemplo, que veio com um roteiro das posições que queria fazer, e quando trocávamos para outra posição falava “Agora eu quero de 4, depois a gente faz de frango bem forte, depois eu quero...” Interrompi na hora! É o tipo de situação broxante, ele acha que você é um robô ambulante de pau duro...kkk     

Acho ótimo saber as preferências do meu cliente, eu mesmo pergunto isso quando estamos falando no primeiro momento, como gosta, o que curte, se ele tem algo que é crucial para o programa etc. Agora, quando o cliente tem consciência que do outro lado tem uma outra pessoa que por mais que seja um profissional precisa dessa interação e que o sexo é a 2 e não 1. flui melhor!

 

Faz alguma exigência na hora de escolher um cliente?

Educação, respeito e higiene são fatores primordiais para flua bem o encontro. Sobre o perfil não faço distinção entre meus clientes, estatura, cor, tipo físico, portador de alguma necessidade especial, idade, preferências, etnia e rótulos, ,  Isso não é motivo para eu escolher. Não faço descriminação com ninguém. E nunca espero nada, pra não gerar expectativas, e quando flui melhor do que eu esperava fico mais satisfeito ainda. 

Quais perfis de cliente você não atende?

Já dispensei clientes arrogantes e prepotentes e que me faltaram com respeito. Gente grossa e que tratam as pessoas como objeto não passam nem da ligação ou da conversa no whatsapp comigo. No primeiro momento, eles desistem de mim e eu deles. Trabalhei na área comercial por muitos anos com pessoas de todas as classes e independentemente do serviço que elas faziam nas empresas eu as respeitava e as tratava de forma igual. Da tiazinha do café ao meu superintendente o tratamento era igual. São pessoas, não é o cargo ou quanto ganham que vai me fazer distratar ou ser soberbo com alguém. Outra coisa que não gosto é quando alguém fica comparando o valor do cachê falando que pagou X pra fulano. Penso que se esse cliente acha que todos os garotos devem cobrar o mesmo cachê, logo ele vê o profissional como se fosse só mais um boy ou objeto. Pensam que todos os acompanhantes atendem da mesma forma por isso devem cobrar o mesmo cachê, quando sabemos que não é verdade, uns tratam o cliente como lixo, outros são corretos, e outros surpreendem o cliente de forma positiva. A escolha é sempre do cliente. Meu atendimento não é igual ao de ninguém, assim como os deles não são iguais ao meu. Cobro na média que todos cobram, mas não estou em liquidação, muito menos me acho um produto que entra em promoção, ofereço um serviço ao cliente e não uma roupa, um celular que varia o preço. Existem garotos que aceitam qualquer cachê mas também oferecem um serviço qualquer ao cliente. Mas o cliente que pensa assim, o atendimento de qualidade já não é um fator tão preocupante pra ele que só busca o custo.

 

Quais perfis e motivos dos clientes mais procuram acompanhantes masculinos?

A maioria dos clientes que nos procuram são homens casados com mulheres (idade entre 25 a 45 anos, em média),quase sempre são homens que tem sua vida heterossexual definida, porém que também sentem tesão em outros homens, e querem fazer o oposto que fazem com suas mulheres, ou seja, serem passivos! O que é bem normal eles nos procurarem pelo sigilo, pela ética de saber que o após o nosso encontro não terá um pós. Eu, especificamente, não vou ficar ligando, e se ele voltar à me procurar beleza, se não, fica só nisso mesmo. A explicação é simples, eles não querem se expor na rua, em shopping, em saunas, aplicativos. Se arriscando ficar com outro homem e isso atrapalhar a relação matrimonial dele ou por isso ele não sai com ninguém que não seja um profissional, para não criar vínculos e não receber uma ligação ou chamada num momento que ele está com a sua parceira. Depois deles temos 3 nichos de categorias; Os gays que querem o sexo no horário que eles podem, escolhem o perfil que eles gostam, incluindo os meninos jovens que querem ter sua primeira experiência, e alguns casos, homens que tem seu namorado que é passivo, e ele sempre é ativo então quando me procuram eles querem fazer o oposto que fazem com os namorados. Seguido por mulheres que gostam de sexo, são independentes, gostam de se sentir desejadas, às vezes o marido não dá conta, e outras sabem que ao contratar um acompanhante elas não precisam fazer jogos, romance, gerar expectativas etc... Em sumo, praticidade. E também atendo vários casais heterossexuais no qual o homem tem vontade de ver a esposa dando pra outro cara, mas já aconteceu também de casos que o homem quer dar ou sente tesão em outro cara e expõe isso para ela, e ela amadurece a ideia e aceita. E outros que a mulher quer fazer dupla penetração, ter 2 homens ao mesmo tempo, etc. Muitas pessoas acreditam que se “encaixar” é mais importante que buscar a felicidade pessoal. Vários clientes têm muitos sentimentos e desejos reprimidos. Muitos clientes trazem experiências sexuais primordiais que precisam viver e sentimentos sobre os quais nunca falaram com ninguém. Analisando isso, o ditado “Entre 4 paredes vale tudo” faz muito sentido, o grande problema desse tabu é a sociedade e da visão fechada de alguns parceiros, se não houvesse tantas regras do que é certo e incerto ou imoral, todos nós não teríamos nada oculto e viveríamos bem melhor.

 

Já rolou alguma química além do profissional entre você e algum cliente? Como lidou com a situação?

Já! Frequentemente isso acontece. Adoro sexo, sempre gostei e quando rola uma química boa, melhor ainda. Quando não rola química, tento ser correto, faço meu trabalho e foco no meu trabalho que é satisfazer o cliente. Existe um acordo ali que é comercial sim, mas qual é o ponto que ele abre um espaço pra ser além do comercial se tornar também pessoal? Até hoje não descobri. Penso que a química não é determinada pelo tipo físico ou beleza. Quantas vezes nós, de modo geral, já transamos com pessoas que tinha tudo pra ser “A foda”, e não foi nada disso, e outros, você não espera nada e rola muito bem, química é coisa de pele, cheiro, sintonia e um jogo de sedução. E quando isso acontece, eu uno o útil ao agradável e me divirto muito também.

Já aconteceu alguma situação estranha, inusitada ou engraçada durante o atendimento?

Várias! Vou contar duas. O cliente me ligou, disse que queria que eu estivesse tal horário numa famosa padaria próximo da Av Paulista, eu chegaria primeiro, pediria algo pra beber, logo em seguida ele entraria e ao passar por mim, me olharia, em seguida entraria no banheiro, e eu iria atrás dele. Tudo ocorreu exatamente assim e transamos no privativo do banheiro da padaria, adrenalina de sermos pegos foi o ápice do encontro. Gozamos eu comendo ele e só depois que estávamos já lavando as mãos que um segurança apareceu, mas nem desconfiou. Outra situação foi com uma cliente, em que ela me ligou falando que iria sair de uma reunião por volta das 13 horas, passei na frente da empresa dela, peguei ela, e ela foi me chupando enquanto eu dirigia até uma rua mais deserta, a tara dela era dar na rua, e encontrei uma rua mais tranquila, justamente com uma árvore grande que o troco tomava quase a lateral de uma calçada toda, encostei ela ali, e transamos lá, outra adrenalina incrível...  

 

SAÚDE

Como você cuida da sua aparência?

Sempre fui muito vaidoso, mas depois que comecei a trabalhar com sexo compreendi que o primeiro contato que as pessoas teriam comigo seria a estampa, o corpo, rosto, vestimenta e saúde. Então, passei a me policiar mais na alimentação, cuidar do corpo e estar atualizado com o circuito de acompanhantes que hoje faço parte. Gosto de estar sempre bem vestido, com bom perfume, barba aparada, hálito bom. Me preocupo com sono e ressacas, pois para atender o meu cliente preciso estar bem não só fisicamente como visualmente e psicologicamente também.

 

Já usou aditivos - drogas?

Sim, já experimentei quando comecei a sair na noite paulistana, por curiosidade e influência de alguns amigos da turma. Percebi que me fazia bem na hora que estava dançando, mas depois a ressaca era pior que a bebida, então desencanei e gosto de um bom vinho ou algum destilado quando acompanho algum cliente ou se tiver com amigos. mas evito, o álcool  faz muito mal, mesmo em pouca quantidade, então posso dizer que não fumo, não me drogo, nem bebo. Não gosto de nada que foge do meu controle. Mas respeito os garotos e clientes que gostam de drogas, usam e não vêem problema em usar.

 

Algum cliente já recusou a transar com preservativo ou te ofereceu dinheiro para um sexo bare?

Na hora do programa não, porque quem quer transar sem camisinha na ligação já pergunta, como a minha resposta sempre é negativa, a pessoa que tem interesse nisso já desiste na ligação e nem vem ao meu encontro. E já tive varias propostas pra fazer sem, propostas de muita grana, mas minha saúde vale muito mais do que qualquer grana que possam me oferecer. E respeito os garotos que fazem por um cachê maior e até mesmo os clientes que curtem sexo desprotegido. Cada um faz o que gosta! 

Com os avanços nos tratamentos para DST’S hoje em dia temos um acervo maior além da camisinha na prevenção combinada, como a PrEP, um comprimido capaz de prevenir a infecção pelo HIV em até 72h após uma situação de risco. Qual sua percepção diante deste novo cenário que prega o sexo mais livre?

Eu penso que esses medicamentos poderiam ser utilizado para casos de reforçar a segurança, casos em que um parceiro é soro positivo e o outro não, Fora isso, acho que não faz sentido, por que não é "só" o HIV, mas tem as DST´s! Todo mundo sabe que quase todas as DST´s tem tratamento, porém quem quer ficar se arriscando e ter que a qualquer momento iniciar um tratamento de DST? Eu não me arriscaria ficar transando sem preservativos, mesmo protegido com uma pílula anti-HIV,. O único método eficaz ainda é a camisinha. É tão bom terminar a transa tirar a camisinha e não ficar com uma paranoia na cabeça será que essa pessoa me transmitiu algo. Nem nos nossos relacionamentos fixos temos a certeza que o parceiro irá ser fiel. E novamente, eu quero citar que respeito quem é adepto ao bare e outras coisas mais, pra mim esse método ainda é inviável, se algum dia inventarem alguma que seja 100% garantido de tudo, quem sabe.  

Curiosidades e Vida Pessoal 

Como começou e quais motivos o levaram a ser um acompanhante?

Eu trabalhava no ramo comercial e nunca tinha pensado nisso. A empresa estava passando por problemas de reestruturação e o nosso departamento que tinha salário, bônus e comissões só estava pagando o salário. Um funcionário meu veio pedir demissão dizendo que iria trabalhar num shopping. Depois de 2 meses o reencontrei num barzinho, e foi onde ele falou com o quê realmente estava trabalhando. Fiquei surpreso, mas compreendi e respeitei. Continuamos em contato, passaram-se 4 meses a empresa continuava o mesmo problema, minhas dívidas só aumentavam a cada mês, pois meu custo de vida era maior do que estava recebendo nessa empresa, estava em atraso com aluguel, faculdade trancada e devendo a faculdade, nome com restrição, e o ponto mais difícil foi quando uma pessoa da minha família de primeiro grau teve um problema muito sério de saúde, e me vi de mãos atadas financeiramente sem poder ajudar. Procurei outras oportunidades de trabalho nesses 4 meses seguintes, porém no ramo que eu trabalhava todas as empresas trabalhavam com a mesma faixa salarial, logo não iria resolver, e eu precisava de dinheiro pra ontem. Então, decidi entrar em contato com meu ex-funcionário pedindo auxilio, mas não ele foi muito receptivo com a ideia. Depois conheci uma garota que trabalhava no ramo e me ajudou a chegar nos responsáveis  dos sites “Garotos” e “Garotolândia”, pois eu nem sabia que existia esse tipo de método de divulgação. E o suporte que eles me deram foi crucial para eu entender um pouco desse mundo. Ninguém entra nessa por outro motivo, que não seja o dinheiro. O motivo pelo qual entrei foi um, e o motivo pelo qual estou hoje é outro. Nesse caminho tracei uma meta e um objetivo que quero cumprir em um determinado e projetado tempo, e estou focado nisso. 

Como foi sua primeira experiência profissional como acompanhante?

Foi tenso antes de chegar no hotel e durante o sexo. Sendo o primeiro passa um monte de coisa na cabeça, sempre gostei de sexo, mas transar com alguém que eu nem imaginava como era, na época, me deixou tenso, receio falhar, de não dar certo, de meu pau não subir ou do cliente perceber que era o primeiro. Durante o sexo eu estava nervoso, tremendo. Então, sem pensar muito, foquei no que já tinha aprendido na minha vida sexual particular, algumas dicas dadas pelo meu ex-funcionário e coloquei em prática. Deu tudo certo, quando o cliente gozou, pensei; “-Ufa! Você conseguiu Ricardo!” (risos)

O que mais lhe excita na transa (preliminares, jogos, penetração, dominação)?

Como todo homem, nas preliminares gosto muito de ser chupado com bastante com gosto, ver a pessoa babando e sorrindo, mostrando que está gostando. Troca de olhares, olho no olho e ver o tesão nos olhos da pessoa é bom demais. E o beijo que é inicio de tudo, é claro que nem sempre o beijo bate, mas quando bate é muito bom. Dominação, química e penetração caminham juntas, é isso que eu chamo de “pegada”, você tem ou não tem, o “meio termo” nesse caso, não cabe, ou você faz com vontade, ou nem faz. kkk

 

Como  é possível manter relacionamento além da vida profissional?

Uma relação nesse momento, pra mim não é prioridade. Por agora. A gente nunca sabe o que pode acontecer daqui à 1 hora, porém, como tudo na vida, nós temos que ter um foco, e eu entrei nessa com um propósito e quero deixar esse trabalho quando o meu objetivo tiver concluído. Tenho plena consciência que essa é uma carreira rápida como a de um jogador de futebol ou de um modelo, ele tem que aproveitar ao máximo seu auge, projetar seu futuro e depois seguir sua vida. E como qualquer trabalho, quanto mais sucesso profissional temos menos vida pessoal nós temos também. Existem muitos pais de família que trabalham 5 ou 10 anos seguidos sem ver os filhos crescerem direito, mal satisfazem suas esposas como marido, trabalhando todos os dias, às vezes 10, 12, 15 horas por dia por um bem maior, um conforto, uma segurança para essa mesma família. Então, decidi dar essa “trégua” na minha vida pessoal e depois quando o Ricardo Abbas não existir mais, muito provavelmente, vou querer, é claro. Mas profissionais do sexo normalmente se envolvem com alguém da mesma área. É mais fácil de entender um ao outro, mas existe um conflito muito grande. Imagine; sábado à noite, telefone toca, você está acompanhado, deitado, assistindo um filme agarrado, se você vai atender o cliente você deixa bem claro para a pessoa que está ao seu lado que o seu trabalho é mais importante que a relação de vocês, e se você fica lá você adia o seu objetivo nessa atividade. O telefone toca nos horários mais improváveis e impróprios que existe e o cliente, raramente, quer esperar você fazer o que você está fazendo pra depois ser atendido. Se você não tá disponível, ele liga pra outro e pronto. Tenho amigos no que vivenciam esses conflitos, rola muito ciúmes, posse e conflitos de direitos e deveres. Se uma relação comum já é difícil de se manter, imagine uma relação incomum como estas. Quer ter paz na relação amorosa e uma vida social regrada? Não trabalhe com isso! (risos)

 

BATE E REBATE

Uma comida? Difícil citar uma só... Brasileira! Gosto muito da comida italiana, mexicana e Japonesa, mas melhor que a Brasileira, não existe!

Um Sonho? Eu, Você, 2 filhos e 5 cachorros numa casa com piscina e um jardim bem grande.

Um ator? Anthony Hopkins

Uma atriz? Angelina Jolie, não pela beleza, mas interpretação e os personagens que ela escolhe pra fazer.

Um cantor? Cazuza

Uma cantora? Maria Bethâni

Um filme? O Diabo Veste Prada, não só pelo humor, mas existem várias mensagens sobre a vida, foco e objetivo, mercado de trabalho, que ninguém é insubstituível, dança das cadeiras no mercado competitivo, tolerância, solidão, escolhas, e os valores diante da vida da personagem. Achei incrível e muito realista esse filme.

Um livro?  O Alquimista – Paulo Coelho

Um lugar? A casa da minha mãe

Quem lhe inspira? Me interesso sempre por histórias de pessoas que tiveram sucesso através do seu trabalho usando a inteligência e tendo foco e sem perder a honestidade e humildade mesmo estando no topo. Recentemente li a biografia do Mark Zuckerberg e achei fantástica.

Se lhe fosse dado o poder de trazer dos mortos alguém, quem você ressuscitaria? Um grande amigo que perdi algum tempo atrás, ele tinha muito amor pela vida, o tipo de pessoa que chegava num lugar e fazia todo mundo rir.

E o contrario quem você mandaria para o outro lado? 99% dos políticos brasileiros. 

Religião? Sou cristão. Em toda religião tem várias coisas que eu acredito e “regras” criadas para a religião que eu não concordo ou não encontro respostas. Algumas mais e outras menos, em resumo, acredito em Deus, na força da natureza, tenho fé, acho que todos nós temos um propósito na terra e em cada encarnação temos um motivo para alimentar a nossa alma.

 

Defina-nos o que acha que é o Amor?  Tem uma frase da Mariane Williamson que define bem, a meu ver, o amor; “Amar é dar sem se lembrar. Receber sem esquecer.” Acho que é isso, você ama quando você é capaz de se dar sem expectativas de retorno ou recompensa.

 

E o ódio? O ódio é a vingança de um covarde. Ninguém odeia alguém que não conhece. Se você odeia alguém, é porque odeia alguma coisa nele que te perturba ou que ele fez ou parte de você mesmo. O que não faz parte de nós não nos perturba. Se não nos perturba mais a gente deixa que a vida se encarregue fazer justiça.

 

Uma frase?

 

“Não se contente em trilhar um caminho estabelecido. Ao contrário, vá para aonde não há caminho algum e deixe seu rastro” Johnnie Walker

@2017 por PublicidadeAdulta